\\ INFORMAÇÃO \ notícias

Assembleia no Sinpro debate eleições sindicais

Publicada em 19/08/2019.

O Sinpro-Noroeste realizou no último sábado uma assembleia geral extraordinária, com toda a categoria de professores do ensino privado de Ijuí, para debater o processo eleitoral que definirá os nomes da nova diretoria colegiada, conselho fiscal e representantes sindicais de base da entidade.

As eleições ocorrem no dia 26 de setembro, durante todo o dia, com votação na sede do sindicato e urnas itinerantes nas instituições de ensino. Estão aptos a votar todos os associados inscritos no quadro social há pelo menos três meses. Já o prazo para a inscrição de chapas para a disputa vai até o dia 2 de setembro.

Na assembleia de sábado foi encaminhada a formação da comissão eleitoral, formada por integrantes de sindicatos ligados a outras categorias profissionais de Ijuí. A comissão tem como objetivo garantir a lisura do processo. Para vencer as eleições no Sinpro, uma chapa terá de alcançar maioria simples de votos e, caso haja mais de duas chapas inscritas, será declarada vencedora aquela que alcançar 50% ou mais dos votos.

 

Relatório apresentado

Além da discussão sobre o processo eleitoral, a assembleia ocorrida na sede do Sinpro também serviu para a apresentação do relatório de ações da atual gestão, que está à frente do sindicato desde 2016.

Entre as diversas atividades exercidas pelo sindicato nos últimos três anos está a negociação de convenções coletivas e acordos junto às instituições de ensino. Ao todo, os dirigentes do Sinpro participaram de mais de 70 reuniões com entidades patronais como o Sinepe e o Comung – que representam escolas e universidades privadas do Estado – e com a reitoria da Unijuí, que resultaram na assinatura de acordos que asseguram vários direitos dos professores.

“Para termos uma ideia da relevância dessas negociações, basta ver que, atualmente, 40% da remuneração dos professores vêm de itens como o Adicional por Tempo de Serviço (ATS), o desconto para dependentes e o adicional de aprimoramento acadêmico. Embora muitos não saibam, estes benefícios são cláusulas contidas nas convenções e acordos que, todos os anos, batalhamos para que sejam mantidos”, frisou o coordenador-geral do Sinpro, Valdir Kinn.