INFORME DO SINPRO

NEGOCIAÇÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR AVANÇAM
- Os sindicatos congregados pelas FeteeSul voltaram a debater, na última semana, os termos de um acordo com o Sindiman para professores do ensino superior. Após duas semanas de suspensão das negociações, houve avanço no principal ponto de pauta: o reajuste salarial.
O Sinpro e demais sindicatos fizeram uma proposta de parcelamento da reposição dos salários, remetendo valores até para o ano de 2025, o que acabou aceito pela representação patronal, porém com ressalvas. 
Como condição para prolongar o reajuste, os sindicatos propõem um abono de 10% nos salários para reduzir as perdas acumuladas pela inflação elevada, mas o Sindiman se negou a incluir a cláusula no acordo. A contraproposta foi fazer uma espécie de sugestão às instituições representadas para que elas fizessem o pagamento adicional, o que foi prontamente negado pelos sindicatos por não haver garantia de que o benefício fosse concedido.
Com a discordância a reunião se encerrou, e um novo encontro foi agendado para a próxima semana, a fim tentar novamente encaminhar a assinatura do acordo.

INFLAÇÃO CORRÓI PODER DE COMPRA DOS TRABALHADORES
- Os feirantes nunca viram coisa igual nos últimos 30 anos: aumentos pontuais de preços variando entre 50% e 100%. Comerciantes tampouco: o número de estabelecimentos fechados bateu recorde de 26.741 no primeiro trimestre de 2022 no Rio Grande do Sul, segundo a Junta Comercial. 
A ampla maioria das empresas fechadas é de microempreendedores individuais (MEI). O setor concentra 68% da massa de desempregados do país, o que representa 18.321 trabalhadores.
A culpa por esse cenário distópico é das altas sem controle nos preços da gasolina, do diesel e do gás natural, fruto da política dolarizada da Petrobras, e das condições climáticas desfavoráveis pelo aquecimento global. Também, contribuiu o aumento do preço da energia elétrica, que impacta toda a cadeia produtiva, preços esses, administrados pelo governo federal.
O jornal Extra Classe preparou uma matéria especial sobre como todos estes elementos tem feito da sobrevivência com o mínimo de dignidade uma missão quase espartana para muitos trabalhadores brasileiros. Acesse o link: bit.ly/3t3Eyi4

CONTEE PEDE DERRUBADA DE PROJETO SOBRE HOMESCHOOLING
- A Contee enviou, na última quarta-feira (25), ofício aos senadores pedindo que votem contra o PL 1.338/2022, que regulamenta a educação domiciliar. 
A Confederação aponta como a proposta aprovada na Câmara fere os princípios constitucionais que garantem: igualdade de condições para o acesso e a permanência na escola; liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber; o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; e valorização dos profissionais da educação escolar.
A proposta foi aprovada rapidamente pela Câmara dos Deputados, e agora cabe ao senadores a análise da matéria.