Professores, funcionários técnicos e administrativos e estudantes de instituições comunitárias de educação superior se reuniram em Porto Alegre, no dia 9 de abril, para a 13ª edição da Plenária pela Gestão Democrática das Instituições Comunitárias de Ensino Superior.

O Fórum é coordenado pelo professor Marcos Julio Fuhr, diretor do Sinpro/RS, que fez a abertura dos debates, tendo como painelista a professora Cristina Fioreze, doutora em sociologia e docente da UPF. 

A seguir, o debatedor Valdir Graniel Kinn, mestre, professor da Unijuí e coordenador geral do Sinpro/Noroeste apresentou as características das treze Universidade e dois Centros Universitários que se intitulam “públicas não estatais”, “modelo alternativo” de ensino superior no Rio Grande do Sul.

Destacou que é um equívoco das ICES a política de competição com o mercado. Assinalou que este não é democrático, na medida em que não satisfaz as necessidades da sociedade. Referiu ainda que esta política das ICES encolhe a concepção de instituição comunitária.

Registrou ainda que na atual conjuntura das ICES existe uma grande insatisfação dos professores que se expressa, por exemplo, no aumento dos que procuram outra atividade devido ao esvaziamento dos seus contratos de trabalho.

Na continuidade, Kinn apresentou um resumo da comparação da pesquisa sobre a realidade docente do ensino superior em 2021 e 2022.

A pesquisa destacou a necessidade de atenção à saúde dos professores uma vez que aliado a sobrecarga laboral descrita pelos docentes, pesam as perdas de amigos e familiares em decorrência da pandemia. Parece haver a necessidade de qualificação da relação entre os docentes e suas IES, que deve ser mais humanizada, atenta aos aspectos psicológicos e de bem estar no ambiente de trabalho para fortalecer o protagonismo docente no processo ensino aprendizagem; qualificação também das relações com os alunos com vistas à criatividade e inovação.